Memória

fevereiro 26, 2019

 

 

Crônica 65

 

 

Memória …

Do que ela é feita ?  Parecem de algodão, nuvens, nevoeiros…

Perdidas nas brumas do tempo ficam as lembranças pequ

enas que construíram nosso caminhar. Pequenos fatos envolvendo grandes histórias, ou apenas pegadas. A todo instante produzimos mais e nem nos damos conta ! Até que um portal se abre – um filme, uma música, um cheiro – e o passado se apresenta presente e vivo !

 

Ahhh memória …

Às vezes no espelho procuro outros rostos que ficaram marcados, mas só vejo as marcas que deixaram em mim. Memória é assim … Nem sempre escolhemos o que ali se sedimenta, mas nada que nos encanta, que amamos, que nos faz ris, nos torna melhores, foge dali …

 

Mais de meio século pela estrada, mas ainda lembro das praias da infância, das festas em família – essa mesma que tantos já perdeu … Lembro das suas faces, como eram então – as mesmas que ainda vejo nos que restaram …

Estamos fadados a nem sempre perceber que certo momento é especial, que devemos acalentá-los no colo. Mas o tempo é sempre minucioso e os guarda para nós na memória …

 

Memória …

Fio invisível de emoções. Sopro de vento, luz do entardecer.

Momentos de eternidade …

 

 

Waulena d’Oliveira 

 

Anúncios

Ao despertar

fevereiro 19, 2019

 

Crônica 64

 

 

Uma manhã nasce da longa noite escura. Se faz sol. Ilumina os sonhos amassados.  Uma a uma, aos poucas, as sobras esmaecem e tornam-se dia…

Já observaram o despertar da vida nessas horas quietas ?  Há uma certa paz no despertar do dia, antes que toquem os relógios, antes que apitem as chaleiras, antes que o dia se torne rotina.

À espera das horas, vejo os madrugadores dirigirem-se aos pontos de ônibus e suspeito que gostariam de estar um pouco mais na cama … rsrs     Aqueles olhos meio caídos, um disfarçado bocejo e aquele ar de quem ainda não acordou …

Em algumas janelas mais sortudas as cortinas ainda escondem os restos da noite. Demora ainda um pouco mais o cheiro do café e do pão aquecido.

Em outras vê-se o movimento ágil de quem quer começar logo suas tarefas para cedo terminar. Salas e quartos são varridos, a poeira do último dia é limpa, roupa para a máquina.

E tem as crianças pegando suas mochilas e merendas para mais um dia de escola …  

São muitas as caras do amanhecer !

Eu ? Apenas observo os minutos correndo, o tempo levando cada um pelas mãos, em direção ao entardecer …

Waulena d’Oliveira

 

 

Em mim …

fevereiro 5, 2019

 

 

Em mim

 

 

Busco em mim o teu respirar

Sei que corres em mim, qual seiva

Alimento feito de murmúrios

Sinto em mim o teu sabor

Sei que o tatuastes em mim, qual brasa

Ardor feito de urgências

Perco em mim a tua lembrança

Sei que vives em mim, qual essência

Certeza feita de eternidade …

 

Waulena d’Oliveira

Finalmente chove …

fevereiro 5, 2019

 

Crônica 63

 

 

Finalmente o tão esperado cinza ! E a chuva é redentora, condutora de vida …

Gosto de chuva. Cheiro de chuva. Som de chuva.

Agora que a noite corre, ela cai quieta, sem alarde, fresca o suficiente para nos fazer esquecer do massacrante calor deste verão.

Gosto de chuva. Gosto de ver seu manto cobrir o mundo. Da janela posso ver as luzes refletidas nas poças e o balé das gotas nas janelas fechadas.

O céu está triste e vertem lágrimas as nuvens.

O gotejar começa lento evaporando o cheiro de terra molhada.  Logo ali a fogueira esquecida queimando lixo se torna apenas fumaça … O verde aos poucos clareia, rejuvenesce, ganha vida e frescor.

De quando em vez arroubos celestes estremecem as alturas, faíscas riscam o horizonte, aumenta a tensão no ar …

Mas as lágrimas do céu lavam o mundo, Refrescam a vida – água vertida para purificar e só o silêncio deixar . . .

 

Waulena d’Oliveira

 

 

 

 

 

 

 

O doce Verão …

janeiro 29, 2019

crônica 62

 

Ahhh o calor …

O verão, sempre tão emocionante, cheio de vida e projetos ! Tempo de férias, tempo de praia, tempo de gelados … E tem o sacrossanto horário de verão que faz o dia render até mais tarde – nada como a boa e velha discussão entre os que o abominam e os que o adoram … rsrs

laro que sempre é importante verificar se e ano é de “La Ninha” ou “El Ninho” , porque, no primeiro caso, melhor fazer as malas e migrar para sul – bemmm para o sul … Qual o problema ?! Os patos não fazem sempre isso ?…

Num país com extensão continental, certamente haverá um lugar mais fresquinho. A não ser que você seja um criador de piadas e memes, daquelas que se espalham às gargalhadas pela rede, mostrando ovos sendo fritos no meio-fio, gente virando carvão ao abrir a janela, ou coisas assim. Não há dúvida de que , por alguns segundos, o calor fica mais suave – ou não …

Temos um prazer especial pelas disputas. É importante ter a opinião ou o gosto vencedor. Brigamos pela paixão ou ódio ao horário de verão, brigamos por gostar ou não desse calor cáustico … Sempre uma diversão !!

Nos últimos anos o Rio de Janeiro tornou-se uma sucursal do inferno – não ! Não me refiro à guerra urbana! Isso já é banal …
Mas o calor ????! A cada ano fica mais tórrido. No Saara ao menos à noite a temperatura cai; já por aqui , fritamos 24 hs por dia !! No mercy !!!!!
Mas há um consolo. Sempre haverá um outono e um inverno em nossos corações …

E vocês ? Adeptos do maçarico ?
Ou vai um gelinho aí ?!…

 

Waulena d’Oliveira

 

 

Fuga

novembro 20, 2018

 

Crônica 61 - Fuga

 

 

Dias de calma.

Em meio à fúria voraz de um calor alucinado, alguns dias de folga… Vontade de mar. Sonho de maresia. Gelado ao pôr do sol …

Para quem vive nas cidades de vidro e concreto, a expectativa desses recessos é hipnótica! Espera-se com ansiedade mais aguçada – não é um simples fim de semana, não ! São três , cinco, dias !!

O problema é que todo mundo tem a mesma ansiedade ! rsrsrs Todo mundo sai cedo para aproveitar mais  –  e todo mundo fica reunido num arrastado engarrafamento …  Aff ! Haja paciência (essa mesma que já andava esgarçada nos últimos tempos…). O jeito é esperar e meditar. Um biscoito aqui, uma água ali e o tempo vai …  Enfim, uma hora se chega. Na torcida de que não tenhamos esquecido nada.

Enquanto aquele desejado mar é apenas um mar automotivo e o sol apenas uma bola de fogo calcinante a cozinhar metais, fico a pensar por que lançamos todas as nossas expectativas nesses recessos.

Tanta ansiedade poderia ser diluída em pequenos passeios, o frescor de um jardim botânico, uma volta na beira da praia para um sorvete, um cinema e um chope. Ahhh um papo animado com amigos ! Remédios infalíveis para o stress do caos nosso de cada dia.

Acho que acabamos ficando viciados nessa correria e nesse “não ter tempo” . Não enxergamos que isso é apenas uma criação e não uma verdade. Nos permitimos oxidar, nos emparedar nos supostos “deveres” …

Olhando em volta, vejo apenas um monte de gente presa em suas gaiolas à espera de chegar …

Para quê ?!

Encontro um retorno, dou meia volta e corro para casa.

E na calmaria da cidade vazia, caminho lentamente pela sombra, roupinha fresca, chinelo nos pés, uma geladinha na mão.

Vontade de mar. Sonho de maresia. Gelado ao pôr do sol …

 

 

Waulena d’Oliveira

 

 

 

O Maior querer …

novembro 13, 2018

Crônica 60

 

No escuro da noite, eles ficavam conversando. Por horas.

Quando se reencontraram descobriram o quanto se pertenciam. A menina e o beijaflor …

Era difícil dormir, porque havia muito tempo para recuperarem. Fora tanto o que haviam perdido !… Agora tinham ânsia, pressa, urgência…

Estavam sempre juntos. As pessoas notavam o casal e comentavam. Não eram mais crianças, mas pareciam dois adolescentes. Andavam de mãos dadas. Trocavam beijos. Olhavam um nos olhos do outro e nada mais no mundo existia…

Nada era fácil nessa época. Mas achavam que juntos tudo podiam – e seguiam ! Passo a passo, começaram a criar uma vida nova para os dois.

Eram testados a cada dia. Um avanço, dois retrocessos. O cansaço às vezes consumia seus humores . Mas aquele abraço no escuro da noite era o melhor dos antídotos…

A menina pensava quando tudo iria se ajeitar. E o beijaflor pensava se ela aguentaria esperar …

E assim se passaram os meses.

Até que um dia, no escuro da noite, eles se deram conta de que o carinho havia esfriado um pouco, corroído pelo stresse da vida dura. E ele suspirou fundo… E deixou escapar seu temor … “A minha menina está indo embora…”

Quão profunda dor sentiu ela, no escuro daquela noite !… 

Sabia da doçura do seu beijaflor ; sabia que era só o cansaço, a rudeza da vida. Mas nada poderia fazê-la tão feliz quanto seu abraço …

E escondendo a lágrima que escorreu de seus olhos, disfarçou o embargo na voz e sussurou-lhe  “Não ! Sua menina estará pra sempre contigo !” …

Waulena d’Oliveira

 

Crescer

novembro 6, 2018

Crônica 59 - Crescer

 

A medida que crescemos adquirimos sonhos e desejos. Aos poucos esquecemos a criança que fomos, esquecemos o colorido que víamos no mundo e vamos construindo um outro mundo, com uma cara séria, totalmente diferente.  Costumam chamar a isso de tornar-se adulto …

Então, de repente, temos um monte de compromissos, trabalho, contas a pagar, coisas a comprar. Passamos a viver de acordo com o que esperam que sejamos, ou …  que “tenhamos” …

E isso é um pesado fardo para muitos ! Muitos perdem o contato com suas próprias essências ! Deixam de enxergar a si mesmos, porque tornam-se um repositório de obrigações e metas a bater  –  precisam ser bem sucedidos, precisam comprar tal carro, casa em tal lugar, fazer essa ou aquela viagem  “x” vezes no ano, etc etc etc  Ou seja, o indivíduo que cai nessa armadilha torna-se prisioneiro daquilo que ainda não comprou …

Há um sentido nisso tudo ? E o que é feito daquela criança que queria apenas correr atrás de borboletas, ou pisotear as poças d’água, ou tomar banho de chuva ?… Daquela criança que sabia quais eram seus amigos, os parceiros daquelas artes todas ?…

Crescer sempre deve significar perder ?!…

Penso que não. Amadurecer por certo implica em assumir muitas obrigações e encargos. Mas por que não preservar aquela criança, aquela parte de si mesmo que pode sorrir e ser espontânea ?

Por que não podemos nos lembrar do que somos, ao invés de ver apenas o que temos – ou não temos, ainda ?

Reflita. Ainda se lembra o que queria ser quando crescesse ?  Se manteve fiel àqueles sonhos ?

Talvez esteja na hora de tomar uns banhos de chuvas …

Waulena d’Oliveira 

 

Amanheci cheia de mar …

outubro 30, 2018

 

amanheci mar

 

 

Amanheci cheia de mar

com ondas bravias, avassaladora paixão

que me faz naufragar ao ver teu olhar

Amanheci como a maré alta

que invade as areias e as consome –

devoro memórias

Amanheci como a maré baixa

que se recolhe e expõe seu leito –

exponho-me em silêncios e choros

Amanheci como mar profundo

que abraça a escuridão abissal –

escureço de saudade …

 

 

 

Waulena d’Oliveira

 

Ressaca

outubro 30, 2018

Crônica 58

 

 

Depois de tanto desgaste, de tantos esforços, de disputas, de energias acalentadas, agora é hora de relaxar. De respirar fundo e seguir em frente, construir o porvir.

Não foi bom ver tantas ofensas e tantas sandices. Tantas coisas inexplicáveis e tantos atos escusos.

Mas foi maravilhoso ver a alegria de sonhar com um tempo novo. Ver renascer um sentimento de amor a este país como eu nunca vira.

Serenados os ânimos, há muito trabalho a se feito. Há muitas mudanças a  serem  impulsionadas.  O trabalho  não  é  para  uma  pessoa – não existem “salvadores da pátria” !

Não. O trabalho é para todos nós, que queremos realmente uma vida melhor. Precisamos contribuir com nossas atitudes. Não podemos mais admitir aquelas pequenas corrupções do dia a dia – que nada mais são do que uma predisposição a sentir-se melhor do que os outros, a pensar de que os outros podem ser prejudicados se for para o nosso benefício.

Essa consciência do certo e do errado precisa ser ensinada, incentivada, construída, fortalecida. Só assim teremos idoneidade para cobrar !

E não há dúvidas de que não vivemos no Mundo da Fantasia; não está tudo resolvido e para podermos viver como a Cigarra da fábula. Sempre precisaremos estar atentos, vigilantes – fiscalização e cobrança, dentro do Direito e da Lei, significa cidadania.

 

Sim. O Reveillon foi mais cedo este ano…   rsrsrs

Que seja um Novo Tempo e todos os nossos sonhos sejam verdade !  

Waulena d’Oliveira